Blog Jornal da Mulher

 

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

KarmaCoach e terapeuta em EFT, Meire Yamaguchi, ensina como transmutar as situações difíceis da vida, chamadas de Karma

 
 
Conceito conhecido na religião budista proporciona entendimento de ações e reações tanto de vidas passadas quanto da vida presente
 
 
Em algumas interpretações, o karma é semelhante a lei de Ação e Reação, ou seja, “colhe-se o que se planta”. Intenções ruins resultam em dor e sofrimento, intenções boas em felicidade e boas condições de vida. O budismo, religião que crê no conceito, diz que manifestações como acidente, doença ou mesmo um relacionamento feliz, pode ser considerado apenas um reflexo de pensamento e ações do passado, sem juízo de certo ou errado, bom ou mau. Outra interpretação é que o karma corresponde a sementes de pensamentos, emoções e hábitos de vidas precedentes, que encontram terreno fértil na vida atual, e faz brotar impulsos que recriam situações de dor ou felicidade.
 
Para a KarmaCoach e terapeuta em EFT, Meire Yamaguchi, o karma também pode ser entendido de uma forma quântica, como cristalizações de energias em momentos de traumas, dores e sofrimentos decorrente da ignorância, que causam a não-aceitação e sentimentos como cólera, vingança ou culpa. “Assim como o karma budista, a energia cristalizada possui um ensinamento dentro dela, que é o antídoto à ignorância original. A vantagem de pensar em termos de energia cristalizada, é que pode concentrar-se nela até senti-la fisicamente, e transmutá-la pelo seu corpo físico, uma vez que há definitivamente um componente físico nessa energia. A transmutação ocorre quando a cólera, vingança ou culpa é substituída por aceitação, compaixão e sabedoria”, releva. (Continua)

Deixe um comentário